Reino Unido em guerra aberta à Russia

Um antigo espião russo, Serguei Skripal, acusado de encaminhar ‘segredos’ do seu país para o Reino Unido, actualmente a viver na Grã-Bretanha, foi vítima de envenenamento com um produto químico e encontra-se em estado muito grave no hospital de Salisbury.

A produção do produto venenoso, segundo o Governo britânico, data dos tempos da União Soviética e, assim, Londres acusa a Rússia, guardiã do tal produto químico, de ter mandado executar o crime e anunciou no Parlamento, a expulsão de 23 diplomatas russos, a quem deu apenas uma semana para abandonarem o país.

Para além desta decisão, Theresa May, primeira-ministra britânica, acrescentou que está a negociar com outros países outras sanções, mas não divulgou quais. Entretanto, em comunicado conjunto, o Reino Unido, a França, a Alemanha e o Estados Unidos avançam com uma carta recriminando e responsabilizando a Róssia.

Em entrevista à EN, o Embaixador russo em Bruxelas acusa o Reino Unido de “violação da convenção internacional” que bane as armas químicas, porque não facilitou à Russia o “acesso às amostras” e os dez dias de direito a resposta previstos pelo acordo internacional.

Posição que Jeremy Corbyn também tomou junto ao Parlamento. Apesar de condenar o crime do uso dos químicos e dizer “que tudo aponta para a Rússia”, o líder do partido trabalhista é de opinião que o governo britânico só deveria actuar contra aquele Estado, depois de todos os trâmites legais fossem esgotados. E lembrou que as precipitações de julgamento dos serviços secretos britânicos levou à assumpção de armas químicas no Iraque e espoletou uma guerra que transformou e desequilibrou toda a região, causando milhões de mortos. N

A seu ver, a resposta do Reino Unido, disse o líder trabalhista, deveria ser apoiada pelo apoio ao Estado de direito e pelos acordos internacionais e pelo respeito pelos direitos humanos.

A Rússia nega qualquer envolvimento no caso e reserva uma acção contra o Reino Unido depois das eleições legislativas de 17 de Março de 2018.

Comentários

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ir para TOPO